Meio ambiente
01/09/2018

Soluções para os problemas de saneamento no estado

O candidato ao governo do Estado do Rio, Eduardo Paes, frisou que não tem a intenção de privatizar a Cedae e apresentou suas propostas para a resolução dos problemas de saneamento fluminense, principalmente nas regiões da Baixada Fluminense e São Gonçalo, neste sábado. Durante visita à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Cedae, na Barra da Tijuca, ele ressaltou que é preciso fazer o básico e coletar o esgoto na casa das pessoas e não inventar soluções ineficazes.


_ Em relação a esgoto, o que vemos hoje no estado é uma tragédia. Menos de 30% do esgoto é coletado. Mas isso pode ser superado. Não vou privatizar a Cedae, que vai se manter como companhia pública. Mas é possível fazer investimentos e trabalhar com PPPs (Parcerias Público-Privadas), concessões e a própria Cedae tem estudos nessa direção. Por exemplo, podemos pegar São Gonçalo, a Baixada Fluminense e trabalharmos com PPPs e concessões _ explicou Paes.

Paes afirmou que saneamento básico sempre foi sua prioridade à frente da prefeitura do Rio e lembrou sua experiência em trabalhar com a iniciativa privada nesta questão. Com o Plano municipal de Saneamento, ele garantiu a ampliação da cobertura de esgoto em 21 bairros da Zona Oeste, que representa 48% do território da cidade do Rio e onde moram  1,7 milhão de habitantes. Na ocasião, Paes celebrou com a iniciativa privada uma concessão que previa investimentos de R$ 2,6 bilhões na construção de 10 novas estações de tratamento de esgoto, 2.100 quilômetros de redes coletoras, 142 elevatórias e aproximadamente 600 mil ligações domiciliares de esgoto.

_ Em uma estação como esta (a ETE da Barra), o esgoto vai para o emissário submarino e está bem tratado e cuidado. Essa é a solução ideal. O que se precisa é ter uma rede coletora de esgoto e, infelizmente, a gente não tem na maior parte do Estado, com destaque para a Baixada Fluminense e São Gonçalo. Temos uma ausência muito grande de rede coletora, de rede de tratamento, e é possível fazer isso com PPPs e concessões, com a CEDAE como estatal _ disse Paes.

O candidato ao governo do Rio ainda falou sobre os desafios ambientais que o estado enfrenta, por causa dos problemas de saneamento. Princpalmente, em relação à Baía de Guanabara.

_ Temos de fazer coisas que são estruturantes. Estruturante em saneamento é botar um tubo de esgoto na porta da casa das pessoas, levar para uma estação de tratamento, que leva para um emissário. Se a gente não fizer isso, a gente vai continuar fingindo que a Baía de Guanabara vai estar limpa. Então, tem que ter saneamento na Baixada Fluminense, em São Gonçalo, ao redor da  Baía de Guanabara, não só pelo ativo econômico que ela representa, mas também pela saúde pública das pessoas que vivem nessas regiões do estado.