Segurança Pública
20/08/2018

Eduardo Paes elege segurança pública como tema de partida de sua campanha e se reúne com comando do Estado Maior da PM

Em visita à Baixada Fluminense, o candidato ao Governo do Estado do Rio, Eduardo Paes, elegeu a segurança pública como tema de seu primeiro dia oficial de campanha. Ele participou de uma reunião com o comandante do Estado Maior da PM, Coronel Henrique Pires, e do comandante do 3º Comando de Policiamento de Área (CPA), Coronel Sérgio do Carmo Schalioni, responsável pela unidade de policiamento de toda a Baixada. Paes ressaltou que vai trabalhar para estabelecer um modelo de policiamento e combate à violência no estado que privilegie ações preventivas e cirúrgicas de inteligência ao invés dos confrontos armados diários que assolam atualmente o Rio. Paes também disse que retomará o comando da segurança pública do estado para a figura do governador, mas sem dispensar a ajuda permanente das Forças Armadas como auxiliar no combate à violência.

Não temos dúvidas que o Rio de Janeiro passa, há algum tempo, por uma onda de violência assustadora. Se isso é uma realidade em todo o estado, na Baixada Fluminense e na Região Metropolitana, incluindo aí São Gonçalo, esses números são mais assustadores ainda. Você tem aqui números quase 50 ou 60% (maiores), e em alguns municípios o dobro, do que é a média do estado de homicídios por 100 mil habitantes. Isso é um desafio enorme! A gente tem clareza de que essa é uma área que tem que intervir de maneira muito forte e contundente e assumir o comando da segurança pública, mantendo as forças armadas nos auxiliando durante os quatro anos de governo. Isso será um pedido que eu farei pessoalmente, quando terminar a intervenção. As Forças Armadas têm um papel importante a cumprir _ disse Eduardo Paes.

O candidato do Democratas reforçou que, dentro deste trabalho de inteligência, uma das metas é “reduzir drasticamente a violência nas ruas, principalmente os indicadores de roubos e homicídios, desenvolvendo um novo sistema de policiamento ostensivo mais voltado para a mancha de segurança, colocando mais efetivo nesse trabalho”.

_ Tem que, urgente, ter um novo modelo de inteligência que permita que a gente possa, nestes conflitos armados em áreas dominadas pelo crime organizado, agir de maneira mais preventiva e cirúrgica _ salientou.

Para combater a corrupção policial e penitenciária, Paes defendeu a atuação de uma Corregedoria independente, ligada diretamente ao gabinete do governador e trabalhando com o Ministério Público Federal e a Polícia Federal. O candidato frisou ainda que o governo do estado tem que ter um “olhar especial” para a parcela jovem da população que é cooptada para o crime.

_ Os jovens de 11, 12, 13, 20, 21 anos, nessa fase, são uma população que precisa de atenção do estado. Então precisa desenvolver um programa de serviço civil voluntário, que permita, em parceria com a sociedade civil e entidades privadas, até mesmo com bolsa, que você resgate esses jovens do crime.

Paes afirmou que, em sua campanha, vai privilegiar a apresentação de propostas.

_ O que eu vou fazer é apresentar propostas e soluções que a gente tem para o estado. Durante 8 anos eu fui prefeito da Capital, e isso obviamente me credencia no sentido de ter feito muitas realizações. Me credencia para usar essa experiência nas diversas áreas no governo do estado. O Estado tem desigualdades regionais profundas. Eu começo a campanha pela Baixada Fluminense e podia estar em São Gonçalo também, porque são áreas que passam por problemas muito graves, uma ausência de estado, nesse momento de crise. A Baixada Fluminense, São Gonçalo e o próprio Interior do estado são áreas que precisam muito de atenção.