Turismo
18/09/2018

É preciso recuperar a Segurança Pública para a retomada do Turismo de Lazer e Negócios, diz Paes

O candidato ao governo do estado do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, defendeu, nesta segunda-feira, em evento com representantes de entidades do trade turístico fluminense, que o Rio precisa recuperar as rédeas da Segurança Pública para retomar sua vitalidade econômica, sobretudo no setor de Turismo de Lazer e Negócios. Questionado sobre o impacto da violência na imagem da cidade no Brasil e no exterior, Paes afirmou que a insegurança acaba por desestimular o turista, prejudicando a atividade econômica e refletindo na taxa de ocupação dos hotéis. Paes participou de pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Rio, o SindHotéis-RJ e a Câmara Comunitária da Barra.

– Se a gente vivesse só de turismo doméstico já estava cheio. Se só paulista e mineiro viesse pra cá, já estava bom. A gente já enchia os hotéis. Mas, às vezes, até pior que a imagem Internacional, neste momento, é a imagem nacional mesmo. O turista de São Paulo, que é super importante, às vezes tem medo de vir para o Rio pela circunstância da violência. A gente tem que superar isso. Essa é uma vocação do estado. A gente precisa superar isso – afirmou Paes.

O candidato do Democratas falou que a falta de Segurança Pública não tem impactado o setor de Turismo apenas na capital, mas também nas cidades do interior.

– Você vê hotéis fechando. Isso está acontecendo, infelizmente, em todo estado. O número de turistas caindo imensamente e isso se deve principalmente a um fator que é a segurança pública. Sem segurança você não vai ter a Região dos Lagos recebendo turista. Você não vai ter Angra recebendo turistas. E nem a cidade do Rio recebendo turistas. O essencial é retomar a segurança pública para que o estado volte a receber turistas – considerou Paes.

Paes voltou a falar que pretende pedir ao futuro presidente da República que as Forças Armadas permaneçam auxiliando na segurança do estado ao final da intervenção, mas sob a autoridade do governador:

– As forças armadas têm um papel a cumprir. Tem a retidão ética e moral, a capacidade de dissuasão de conflitos de grupos criminosos. Mas é fundamental que o comando seja do governador. Isso é uma premissa básica. A intervenção tem data para terminar, mas nós vamos solicitar ao próximo presidente que disponibilize as Forças Armadas aqui, para que, sob uma nova estratégia, com mais inteligência, com menos mortes de inocentes, menos mortes de policiais, a gente possa manter a segurança de nosso estado. Sou candidato a governador principalmente para resolver o drama da Segurança Pública, a agonia das pessoas desse estado – disse o candidato.

Paes falou ainda que a retomada da Segurança Pública acontecerá em paralelo ao esforço de equilíbrio das contas públicas.

– Você tem ações de gestão que podem sim melhorar isso (a segurança). Mas é óbvio que o estado precisa organizar as suas contas. E acho que a gente mostrou na prefeitura capacidade de organizar contas. A gente vai organizar as contas do estado. O estado tem recursos sim. E conseguirá superar essas dificuldades. Você tem mudança de viés, de vetor, de uma sensação de segurança para mudar essas perspectiva do estado. Acho que isso a gente consegue com brevidade. É nossa prioridade imediata. Mas resolver a violência é um processo de construção de uma política pública. Para que se possa, de fato, trazer paz para a população – frisou Paes.